ARTIGO Criando e monitorando o nosso Projeto Pessoal
Pela Dra. Sonia Novinsky
  
voltar


Nós não temos escolha: ou criamos nossos projetos pessoais e os assumimos ou então algum projeto que não é nosso acaba por se impor a nós. O conceito de projeto pessoal se aplica a um projeto global de vida, um projeto profissional ou um projeto relacionado com nossa vida afetiva, nossa família, nosso lazer, etc. Freqüentemente já estamos engajados em projetos, apesar de não explícitos, contraditórios ou sem ressonância com nossos desejos.

É muito interessante como essa necessidade de ter projetos pessoais é quase intuitiva e, por isso, ao final de cada ano, falamos tanto em planos para o ano seguinte. Sabemos que a maioria deles não se concretiza, apesar das nossas sinceras intenções. E isto ocorre porque geralmente não há uma formulação das intenções sob a forma de um projeto coerente e muito menos um monitoramento sistemático e consistente do seu andamento. O hábito e a inércia ganham sempre de nossas melhores intenções de renovação, ainda que evoluir seja nosso desejo.

Além de necessitar de projetos para evoluir, há momentos em que passamos por uma crise pessoal que demanda urgentemente um projeto para superá-la. Crises pessoais são situações que nos fazem perder o controle de nós mesmos e daquilo que nos cerca. Há crises agudas, criadas por situações imprevistas, como um desemprego inesperado, a morte de alguém próximo, um acidente, uma doença, uma perda, uma falência. E há crises crônicas, derivadas de inseguranças, baixa auto estima, paralisações de percurso, conflitos sem saída ou limitações causadas por sintomas como fobias, compulsões, obsessões, traumas, depressões, etc.

É muito provável que, ao passar por um momento crítico, não tenhamos as ferramentas para criar e monitorar um projeto pessoal. A crise nos desestabiliza e, quando estamos sob stress, tendemos a nos movimentar anarquicamente ou a nos refugiar num retraimento pessoal que pode ter graves conseqüências para nós mesmos e para os que nos cercam.

Nossos projetos pessoais nos colocam na direção dos nossos sonhos.

Quando a pessoa se acredita capaz de criar um projeto pessoal e de realizá-lo, ela cria ao mesmo tempo as bases de uma autoconfiança e de uma auto estima que são necessárias para sua expansão no mundo e para seu crescimento pessoal.

Self Project Management é um método para ajudar as pessoas a criar e monitorar
projetos pessoais. Este trabalho se inicia pela identificação dos sonhos que darão sentido à vida de cada um e pelo exame sistemático, em profundidade, das suas prioridades essenciais e dos seus impedimentos, conscientes ou inconscientes. Só então se parte para a criação, formulação e monitoramento de projetos.

Essa tarefa pertence à primeira etapa do método, denominada Self Project Development. Nesta etapa se parte de onde cada pessoa está no momento e se trabalha para que ela formule um projeto ao mesmo tempo desejável, desafiante e disponível para si. (Os 3 D).

O Self Project Development atua sobre todas as resistências internas à adesão a um projeto: os bloqueios, os impedimentos, as emoções, os ressentimentos e pressentimentos, as crenças, as contradições, enfim, tudo que sabota dentro de nós a reversão de nossos sonhos em projetos concretizáveis.

Este método incorpora uma ampla gama de abordagem da condição humana e dos problemas que obstaculizam a evolução e a criatividade. Dependendo das condições singulares de cada pessoa, se utilizam técnicas diferentes, a fim de acessar as suas dificuldades e permitir que seu potencial criativo se apresente com toda a força.

Este trabalho pode ser feito em grupo ou individualmente e acontece sempre num prazo limitado, adequado às necessidades e possibilidades de cada um.

Definido o projeto, algumas pessoas optam por assumir o seu monitoramento, enfrentando sozinhas as dificuldades subjetivas e operacionais que se colocam durante a fase de realização. Outras optam por ter um suporte para a implementação de seus projetos e passam então à segunda etapa do método, denominada Self Project Implementation.

Esta etapa se estende por um período mais longo, porque se dá em tempo real, onde há atividades a serem feitas, dificuldades a serem compartilhadas e trabalhadas e novas atividades programadas, até a meta ser atingida.

Nesta fase se trabalha preponderantemente a interface da pessoa com o mundo que a cerca, ou seja, as respostas que o ambiente venha dar às suas tentativas de ocupar espaço no mundo, através de seu projeto pessoal.

Esse poder de desenvolver e implementar um projeto pessoal recupera para nós o reconhecimento de nossa liberdade de desejar, de criar, de realizar e de compartilhar.

Há quem caia na armadilha de pensar que focar-se num projeto pessoal seria um ato de egoísmo. Na realidade, ao contrário, o sentimento de abundância e riqueza pessoal implícito no percurso de um projeto que seja realmente nosso permite que nos sintamos ocupando o lugar que nos é devido na vida. E, neste contexto, a nossa generosidade e solidariedade com as pessoas que nos cercam tornam-se conseqüências naturais de nosso novo modo de ser e estar no mundo.